Atividades não-presenciais continuam no Santa Maria com suporte e cuidado em todas as etapas de ensino

  • Terça, 12 Maio 2020 18:07

Com o distanciamento social imposto pela Covid-19, o Colégio Santa Maria também precisou se adaptar à nova realidade de aulas não-presenciais. O Colégio, associado à Abepar, dispõe de diversas plataformas digitais, adequadas para cada etapa de ensino, que permitiram à equipe pedagógica dar sequência ao trabalho iniciado no começo do ano letivo. Com a equipe escolar e as famílias em contato frequente, todos os alunos tiveram o suporte necessário para continuar estudando e aprendendo. 

Infantil: atividades e brincadeiras

A essência da Educação Infantil não foi perdida durante a quarentena. A equipe organizou propostas e orientações de atividades e brincadeiras que levam em conta a concepção do Colégio sobre o que é a infância, o brincar e as diferentes linguagens para as crianças. 

A coordenadora da Educação Infantil, Dra. Karine Ramos, conta que no início foi criado um canal no Youtube para que os pais pudessem acessar com as crianças. Nesse espaço foram postados vídeos das professoras cantando músicas e lendo histórias infantis para os alunos. 

Com o prolongamento da quarentena, a equipe decidiu pela criação de um Google Classroom para que as crianças pudessem ver as professoras. Diariamente, elas postam vídeos com a rotina do dia, com uma atividade e várias brincadeiras. No espaço, os pais também recebem orientações sobre como realizar as propostas.

"Procuramos encontrar um equilíbrio. Nossa intenção é garantir o bem-estar das crianças, e não enchê-las de atividades", diz Karine. “Além disso, damos uma orientação aos pais para que eles não fiquem sem um encaminhamento pensado e planejado por pedagogas".

O Colégio incorporou também os momentos de live, em que duas vezes por semana as crianças se reúnem ao vivo com a professora. Nesses dias, todos podem se ver e conversar e as professoras preparam músicas, histórias e atividades de movimento para realizar com as crianças. 

Ensino Fundamental 

O plano pedagógico no Fundamental vem sendo desenvolvido normalmente através da plataforma Edmodo. Esse recurso já era utilizado com os alunos de 3º a 9º e, com a quarentena, foi implementado em todas as séries. “Aproveitamos o espaço que tínhamos ali e que os alunos já sabiam utilizar”, explica o coordenador de tecnologia educacional, Muriel Vieira Rubens. 

Todas as atividades, tarefas e videoaulas ficam registradas na plataforma para que o aluno possa acessar quando quiser. O mesmo acontece com as lives. As transmissões ao vivo são um momento de interação entre alunos e professores para tirar dúvidas e fazer correções, além de ajudar os alunos a assimilar novos conhecimentos.

Os professores também têm acesso a um estúdio de audiovisual no Colégio, onde podem gravar as videoaulas e outros materiais, recebendo todo o suporte presencial da equipe de tecnologia. 

Para ajudar as famílias e os professores com as diversas ferramentas, o Colégio preparou um endereço na web, reunindo tutoriais sobre como utilizar cada recurso. “Lá eles aprendem a acessar a plataforma, como verificar as tarefas postadas e obtêm dicas sobre as chamadas de vídeo”, conta Rubens. “Preparamos esses materiais de acordo com a demanda recebida ao longo do tempo”. 

Além dos conteúdos, a escola é um local de trocas, de socialização e de diversão. Pensando nisso, o Santa Maria preparou gincanas para os alunos, uma proposta que vem do presencial e está sendo adaptada para a modalidade a distância. “É preciso oferecer coisas novas para os alunos”, acredita o coordenador de TE. “Isso dá mais dinamismo à rotina deles e combate o tédio de ficar em casa o tempo inteiro”.

O Ensino Médio e as novas plataformas

Este ano, o Colégio Santa Maria havia iniciado a reformulação do Ensino Médio, adotando o regime integral e com mudanças profundas no currículo escolar. São medidas graduais, que começaram a ser implementadas no 1º ano e incluíam a introdução de novas disciplinas, novas dinâmicas de aulas e de sistema de avaliação.

Para viabilizar esse novo modelo, o Colégio adotou a plataforma Google For Education, com o Google Classroom, e forneceu cursos e treinamentos para todos os professores do Ensino Médio. Quando as atividades presenciais tiveram que ser interrompidas, todos já estavam familiarizados com as ferramentas online, que passaram a ser utilizadas em todas as séries. 

Segundo Silvio Freire, diretor do Ensino Médio, a equipe se organizou por áreas de conhecimento e os coordenadores de cada série montaram grupos de formação para desenvolver as atividades. “Também estabelecemos um cronograma para cada semana”, conta o diretor. “Decidimos o que e como cada professor vai trabalhar com os alunos. Assim, todo mundo se ajuda e fica a par do que está acontecendo”. 

No online as aulas ganham outra dinâmica e cada professor utiliza as ferramentas mais adequadas para a sua disciplina. Freire conta que o Google oferece mais de 60 tipos de atividades diferentes, e os professores usam isso a seu favor. As aulas se dividem em videoaulas e lives, mas a hora de resolver exercícios e de tirar dúvidas acontece sempre ao vivo, com a ajuda do professor. 

As aulas de artes e de educação física também foram mantidas, assim como as avaliações, que ganharam adaptações para esse momento.  “Os resultados estão sendo bastante positivos, todos se adaptaram bem”, conta Freire. 

Os alunos do 3º ano que participavam do cursinho pré-vestibular oferecido na escola continuam com as aulas em casa. "Como o cursinho é do Sistema Anglo, a plataforma é diferente. Mas eles continuam os estudos da mesma forma, com aulas ao vivo e ferramentas fornecidas pelo Sistema Plural", explica o diretor do Ensino Médio.

Contato com as famílias

Em todas as séries, o contato com as famílias foi intensificado. Sem perder a sua essência, o Colégio continua atendendo e dando suporte a quem precisa. No Ensino Fundamental e Médio, os coordenadores entram em contato com os responsáveis quando notam que algum aluno não tem entrados nas aulas. Eles procuram também orientar as famílias que tenham alguma dificuldade no uso das ferramentas. 

Na Educação Infantil, Karine Ramos, coordenadora desse segmento, conta que as famílias estão gostando das propostas e gratas por todo o suporte. “Um dos pontos positivos que toda a escola vai levar para quando retornarmos às atividades é esse fortalecimento da parceria entre a família e a escola”, diz. “As dificuldades da vida fazem com que as pessoas criem vínculos ainda mais fortes”.